Percorria o meu caminho sossegado.

            Vivendo no meu pensamento.

            Não ter hora e destino

            era um aconchego.

            Só tinha de viver

            o encanto do momento.

 

            “Sem compromissos é a minha bandeira.”

            “Sem pensar no futuro a minha maneira de ser.”

            Princípios que gritava à boca cheia.

            Era assim que pregoava

            O modelo de um bom viver.

 

            De repente sinto um novo aroma.

            Fazendo –me tropeçar na maior das verdades.

            Verdade embrulhada com um lindo idioma.

            Nem deu tempo de dizer:

            “Adeus ou simplicidade”.

 

            Acabei de ser rasteirado pela vida.

            Acordou em mim um sentimento obscuro.

            Sentimento que fez acordar um coração adormecido.

            Que sentimento é este que me leva à loucura?

 

 

 Terceira parte foi publicada no SÁBADO, 07 / 12 / 13

 

                                                              ( António Maia )

publicado por RO ALMADA às 19:50