Daquela janela via o mundo passar

Os meus pensamentos só a flutuar

Um silêncio pesado...

E um corpo cansado

Buscava amar...

 

Daquela janela...

As árvores adormeciam embaladas pelo ar quente.

O mundo todo girava em minha mente.

Tudo ardia dentro do meu peito

Percebia que não existia amor perfeito.

 

Daquela janela...

Via a quietude e frieza do mar

As rochas a chorar

O vento a calmar

Meus pés na areia afundar...

 

Agora, daquela janela...

A paisagem ganhara tons quentes, amarelo, vermelho, dourado...

O sol renasce a cada dia

Aquecendo meu coração com magia.

 

Agora, daquela janela...

Vejo o amor de cor verdejante

Onde as águas cantam nas pedras

E a minha alma radia deslumbrante.

                                                            (Rô Almada)

 

publicado por RO ALMADA às 11:13